c

c
Imagens: Sicalis flaveola (Canário-da-terra)/Cláudio Gontijo/Lassance-MG

terça-feira, 15 de outubro de 2013

A Garça-Branca-Grande

Nas margens mais rasas de lagoas, rios, banhados, a Garça-branca-grande, Ardea alba, procura o seu alimento. Elas permanecem imóveis apoiadas em suas longas pernas, esperando o momento de lançarem de forma certeira o seu bico fino, mergulhando-o subitamente na água para capturar pequenos peixes. Buscando sempre os ambientes aquáticos esta espécie também recolhe moluscos, insetos, anfíbios e répteis. Em períodos de maior estiagem, as lagoas e banhados no norte de Minas ficam escassos. A Garça, então, executa pequenas rotas migratórias até chegar aos cursos d'água disponíveis. 



A Garça-branca aguarda imóvel o seu alimento à margem do Rio das Velhas. Imagem: Cláudio Gontijo



No período da reprodução fazem seus ninhos em arbustos nos brejos, nas árvores mais altas próximas do ambiente aquático e ilhas com vegetação densa. Uma pena de maior comprimento torna-se mais visível, nesta época; a chamada "egreta". A fêmea, após o acasalamento, depositará em média cinco ovos de cor esverdeada.



A Garça-branca-grande. A pena egreta é visível na região dorsal. Imagem: Cláudio Gontijo





Esta espécie possui hábitos diurnos e, normalmente, locomove-se de forma solitária. Mas no período reprodutivo junta-se a bandos de aves aquáticas, muitas de espécies diferentes. Ao entardecer deixa as margens dos rios e lagoas, e voa para repousar em árvores de maior porte.




A Garça e o seu ambiente preferido. Imagem: Cláudio Gontijo





A região de ocorrência da espécie é, normalmente, de clima tropical e subtropical, na América do Norte, em quase todas as regiões do Brasil, Europa e outros continentes, à exceção dos polos.

















5 comentários:

Simone Felic disse...

Aqui na minha cidade sempre vejo estas aves, o curioso é que tem rios que cortam a cidade e
são muito poluidos, eu não consigo entender o que elas acham ali pra comer.

http://eueminhasplantinhas.blogspot.com/

Claudio Gontijo disse...

Estas aves chegam a se alimentar de detritos do lixo. Sua alimentação muito diversificada aliada ao fato da capacidade de migração tornaram a espécie, mesmo atualmente, muito numerosa. Um abraço Simone.

Daniele D. Rodrigues disse...

Parabéns pelo blog!

Estou seguindo.
:)

msgteresa disse...

Olá,Cláudio!
Que surpresa linda conhecer este teu encantador blog! Amo as garças e sempre que posso tento também fotografá-las. Para mim, elas são muito lindas, e parecem verdadeiras "top models" do mundo das aves, uma vez que são tão elegantes e charmosas! (Rs...) Mas sinto muita pena ao vê-las nas beiras de rios e lagoas que são praticamente puro esgoto, tentando se alimentar de algum tipo de alimento que possam encontrar...Uma vergonha para nós, que somos os "humanos",né? E eu fico aqui sonhando e esperando que um dia, quem sabe, tudo melhora, a consciência ecológica cresce, e vamos poder assistir ao belo espetáculo de bandos de garças livres e felizes, às margens de rios e lagoas já despoluídos e novamente ricos em vida...Quem sabe? Não podemos deixar de sonhar e desejar o melhor para o nosso meio ambiente!
Também sou bióloga e tenho um blog chamado de "Se essa lua fosse minha", onde adoro falar à respeito do meu cotidiano perto da natureza que tanto amo. Se quizer dar uma passadinha por lá,vou gostar muito de sua visitinha...Hoje fiz até um post falando sobre os meus queridos "ipês amarelos",uma paixão minha!
Parabéns pelo lindo blog,tudo de bom e um abraço grande pra você!!!
Teresa

ISA MENDES disse...

Parabéns pelo blog, belas ilustrações e textos! Estarei sempre visitando e conhecendo aos poucos! Isa Mendes