c

c
Imagens: Sicalis flaveola (Canário-da-terra)/Cláudio Gontijo/Lassance-MG

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Chuva

Veio a chuva e encharcou a terra,

 retocou o tempo.

Nem se pode dar graças,


quando tudo, em gotas finais,

espantou a aridez do pensamento,

dos torrões ainda mornos,

dos pardos arbustos,

recompondo o dia ainda claro.








Agora as imagens já eram límpidas,

em alegria de cores nítidas.

Então veio grossa a enxurrada,

varrendo as grotas e a melancolia.

Parecia uma vida desenhada, a ser terminada.

Inúmeras cores teciam horizontes, 

de toda a calma do sertão.

A água alimentou raízes, 

orações e ribeirões.

Flores e amores.

Devolvendo a fartura,

de todas as veredas,


em lágrimas de alegria.




Texto e imagem: Cláudio J Gontijo/Norte de Minas

4 comentários:

Minha vida de campo disse...

Parabéns um bela obra. Fizeste uma comparação belíssima entre a chuva e os sentimentos. Bem dizem os antigo que as enxurradas vem para varrer as coisas fora de lugar.
Tenha um ótimo dia.

Simone Felic disse...

Até poeta você é?
legal, gostei muito bom

http://eueminhasplantinhas.blogspot.com/

Celle disse...

CLAUDIO, FAZER PARTE DE SEUS AMIGOS É UMA HONRA, A CADA DIA MAIS EU LHE ADMIRO.
A CHUVA BANHA A NATUREZA, FICA MAISFRESCA, PURA E MAIS BONITA, TANTO FAZ NA ROÇA COMO NA CIDADE, CERTO É QUE NA LAVOURA ELA É BENÇÃO!
BOA NOITE

Claudio J Gontijo disse...

A honra é minha Circele. Há algumas semanas atrás novenas foram feitas e as comunidades rurais daqui foram até os Cruzeiros, sempre presentes em várias regiões. Alguns dias depois a chuva veio. Bom dia, minha boa amiga.