c

c
Imagens: Sicalis flaveola (Canário-da-terra)/Cláudio Gontijo/Lassance-MG

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Aranha caranguejeira

As aranhas pertencem a classe dos aracnídeos que, por sua vez, são representantes dos animais artrópodes, com patas (apêndices articulados). Os insetos também são animais deste grupo, embora se diferenciem por possuir três pares de patas e, geralmente, não serem predadores peçonhentos.


Uma caranguejeira no ambiente urbano (Sete Lagoas). Enquanto os insetos possuem o tórax diferenciado da cabeça, os aracnídeos possuem um cefalotórax (cabeça e tórax fundidos) e o abdome. Imagem Cláudio Gontijo

Ao manusear uma máquina roçadeira em um gramado, numa região rural, observei um exemplar de porte médio de uma caranguejeira. Provavelmente ela é uma espécie denominada Lasiodora sp. Pode atingir mais de 25 cm de envergadura. Embora tenham aspecto ameaçador, as caranguejeiras não produzem peçonha que contenham toxinas perigosas ao homem, mas a sua picada costuma ser dolorosa pelo tamanho de suas quelíceras (primeiro par de apêndices, localizado junto ao aparelho bucal).


Os aracnídeos possuem quatro pares de patas. O par dianteiro, próximo ao parelho bucal, são os pedipalpos (não são patas propriamente ditas). Junto aos pedipalpos estão as quelíceras. Imagem: Cláudio Gontijo/Lasssance-MG



Esta espécie, geralmente,não é agressiva. Pode viver, em média, até 20 anos, quando fêmea. Os machos vivem pouco mais de um terço deste período. A maturidade sexual chega em torno dos três anos de idade. Para o acasalamento, o macho possui pedipalpos (segundo par de apêndices) adaptados a inocular o esperma na fêmea. Durante o ato sexual ele costuma imobilizar a fêmea e fugir ao final, já que o apetite destas espécies é grande e elas desenvolvem o canibalismo.


Inúmeros ovos junto ao corpo de uma espécie de aranha caranguejeira. Imagem web


A fêmea, após a cópula, é capaz de produzir até 400 ovos que darão origem a inúmeros filhotes. Estes abandonam logo as proximidades da mãe e saem para uma vida independente.


Ao ser incomodada a caranguejeira assume uma posição de defesa, com as patas superiores em elevação. Imagem: Cláudio Gontijo/Lassance-MG


O corpo das caranguejeiras apresenta inúmera cerdas que revestem principalmente o abdome e as patas. Ao ser molestada ou atacada, esta aranha ergue as patas dianteiras e as esfrega ao longo do corpo, emitindo boa quantidade destas cerdas (pelos) que costumam ser urticantes. Estas cerdas podem causar irritações alérgicas em determinadas pessoas. Este constitui o maior risco destas aranhas que apenas parecem pequenos monstros, mas, na verdade, contribuem para o meio ambiente e a cadeia alimentar. Elas alimentam-se de insetos (gafanhotos, baratas), pequenos anfíbios e répteis (lagartos). 


A caranguejeira a as suas cerdas, visíveis. Imagem: Cláudio Gontijo/Lassance-MG




Existem espécies de maior porte que podem atingir mais de 30 cm de tamanho, como a Theraphosa blondi, aranhas caranguejeiras que se alimentam de pássaros. 

As aranhas caranguejeiras ocorrem em quase todas as regiões da terra, à exceção dos polos e geleiras. Existem ao todo cerca de 900 espécies, porém apenas pouco mais de 30 são conhecidas e catalogadas.

Muitas destas caranguejeiras vivem em tocas que chegam a um metro de profundidade. Provavelmente esta caranguejeira que avistei saiu da sua toca com a vibração da máquina ou com algumas gotas de chuva que deixaram o seu habitat inadequado.



Junto aos pedipalpos, o aparelho bucal (que geralmente é sugador). Imagem: Cláudio Gontijo/Lassance-MG





Postar um comentário