c

c
Imagens: Sicalis flaveola (Canário-da-terra)/Cláudio Gontijo/Lassance-MG

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Voz











A voz do povo é a voz de Deus. Inúmeras vezes esta frase chegou aos nossos ouvidos, inúmeras vezes nós a repetimos. Qual de nós ouviria a voz de Deus? Quanto maior for o consenso, mais verdadeiro ele será. Ainda assim é possível concluir que a maioria pode ser enganada. É possível ludibriar quando se lida com a falta de esclarecimento, com a carência de informações, com a miséria física.

Assim caminhamos para as eleições municipais. Mergulhados em dúvidas, desconfiados, apreensivos em relação à política partidária. A incerteza quer nos afastar do nosso compromisso maior, o voto. Temos esperança, sentimos repulsa, temos entusiasmo, sentimos dúvida. Mas é provável que outra decisão comum, coerente pelas necessidades de toda natureza, seja a de que nunca precisamos tanto da prosperidade social, cultural e econômica. Nunca necessitamos tanto de melhores escolas públicas, nunca necessitamos tanto de postos de saúde mais equipados, nunca necessitamos tanto de melhores vencimentos para os que tem menos. Precisamos muito de preços competitivos, de lazer sadio. Precisamos da infra estrutura que poderia chamar a indústria, pequena que fosse, para gerar empregos, renda. Que poderia diminuir as diferenças, direcionando mais benefícios. 

Não sabemos qual é a tonalidade da voz de Deus. Mas temos a certeza de que os candidatos aumentaram. Chegaram em número maior, trouxeram múltiplos projetos. Muitos são jovens, possuem idéias renovadas, muitos trazem a experiência que veio com o avanço da idade. O volume de acordos e promessas realizados nos comícios ou nas salas domésticas ainda é o mesmo de muitos anos já passados. Muitos sorrisos continuam carentes de sinceridade, muitos cumprimentos chegam com a necessidade de mais calor.

Talvez nunca chegaremos ao timbre da voz de Deus. Mas a incerteza não pode nos afastar do nosso compromisso maior. É necessário que busquemos uma junção de ideias. É necessário que tenhamos o desejo de ouvir e lidar com a verdade. Porque embora não possamos ouvir essa voz, podemos nos firmar no que sentimos dela. Assim, como sonhadores ou não, como cidadãos presentes ou até mesmo desertores que um dia fomos, com todas as perguntas sem respostas, com as tratativas sem nexo, não podemos adiar o toque que daremos nas máquinas eletrônicas. Se cometermos o erro de justificar a nossa escolha em outras salas eleitorais, estranhas, se efetuarmos a nossa escolha de maneira relapsa, sem qualquer responsabilidade, estaremos nos distanciando de nós mesmos. Estaremos fragmentando qualquer tipo de voz.

Postar um comentário